22 setembro 2011

Equecidos

Estou trabalhando numa série de ilustrações Chamada Esquecidos.

Hoje, teremos a primeira:

17 setembro 2011

Aghata2 Cartas Marcadas



 Esta é a arte da Capa de AGHATA 2 Cartas Marcadas.
| Voltar Para a Lista dos Capítulos | Voltar para AGHATA 1- Jóias Perdidas |


           
          Cartas Marcadas
    
- Júlio?!!!!!!!!!
- Marina!
- Ah, quanto tempo, abraço! HUUMM... Entra, entra.
- Muita saudade de ti mulhé...
- Eu também... cê chegou hoje?
- Ontem, eu queria muito ver a turma de novo.
- È, sei, é sete da manhã!
- Desculpe...
- Que desculpa que nada, porque cê não mandou carta, ligou pra gente, só esqueceu foi, é?... Mas que bom que cê está aqui de volta. Me diz: cê foi pra onde?
- Acre! Fiquei com meu pai, ele mora muito longe, lá onde Judas perdeu o juízo, que o resto foi-se no caminho. Sem telefone, net, até TV...
- Nem TV?
- Era o inferno sem demônio. A religião dele não permitia.
- Credo!
- Meu pai ficou muito doente, malária, fui trabalhar na cidade pra ajudar cas coisas lá. _Júlio respirou fundo_ Fui embora pra casa da minha mãe... em Salvador, assim que meu pai morreu.Mas ai meu padrasto lé era o próprio demo. Daí eu não aguentei mais e voltei.
- Meus pêsames, amigo!
- Valeu. Meu pai nunca se importou mesmo!
- Nossa, mas que bom que agora cê tá aqui, que planos cê tem? -Tentou Marina mudar de assunto.
- È...- O que deu certo, pois o olhar de Júlio teve novo brilho. - Sabe depois desses 2 anos só quero é descanso, e a Aghata?
- Pelo jeito cê ainda não sabe que...
- O quê?
- A Aghata foi embora.
- Pra onde? Pensei que a loja do pai tava “bombano”, ele ficava “pegano no meu pé”.
- Júlio, eles morreram.
- Tá brincando? - Arregalou, Júlio, os olhos.
- Não. Foi um crime terrível, saiu nos jornais e tudo. - Marina ficou espantada que uma notícia tão antiga o tenha perturbado tanto, tentou fazer um bom relato de maneira suave:
- Queimaram a casa deles buscando uma jóia lá, Aghata tinha acabado de voltar da escola, cê já tinha até viajado, acho que há seis meses antes. Daí ela encontrou os pais enforcados na sala, bizarro né?
- Ca-ram-ba!
- Ela me contou que a última coisa que ela viu antes de desmaiar foi a casa queimando. Pegaram ela, amarraram e levaram, eles queriam umas informações, dai ela falou, ela até me disse, eles queriam saber se a pedra era dela ou se deram pro irmão, o Tony, não sei como, ela disse alguma coisa que eles não queriam ouvir e levou um socão!
Júlio franziu a testa indignado.
- Quando ela acordou, se soltou das cordas e fugiu, a pobre.
- Fácil assim? Que esquisito.
- È memo. Véi, ela chegou aqui em casa toda suja de lama, daí contou tudo, tentei esconder dos meus pais, mas quando viram ela, ligaram pra polícia na hora. Coitada! Teve gente que até disse que foi ela.
- O povo é triste!
- Né? Dai a perícia explicou tudo, véi. Não tinha herança pra ela, só o terreno da casa e a loja, mas venderam a loja pra pagar as dívidas. Ela ficou só ca casa, depois eu te levo lá pra ti ver. Tem nada lá não. Mas ai ela nunca mais foi lá.
- Coitada.
De repente, uma voz veio dos fundos da casa de Marina:
- Quem é filha?
- Só um amigo, o Júlio! – gritou Marina ao pai.
- Não esqueça de falar da minha campanha...
Marina não respondeu, só olhou para Júlio.
- vereador?
- Não, ele quer ser prefeito! Dá pra acreditar?
- Bem, eu não tenho candidato, então se ele perguntar diga que adorei as propostas dele e que já tem o meu voto, rsrsrsrs
- rsrsrsrsr, valeu, queria fugir no próximo domingo...
- Se quiser um parceiro...
- não, rsrsr é só um sonho perdido, ele me deserdaria se eu deixasse ele, véi, bem no dia da eleição. Mas ele tá fazendo um negócio bacana dessa coisa que tá acontecendo, de... negócio que tá dando na tv de sumiço de gente, e...  Ah, voltanto pra Aghata, Sim, sobre a Aghata, um dia, um homem muito velho com uma mulher bem jovem pra ele apareceu aqui, ele falava engraçado, mas ela não. Acho que ela era brasileira, bonitona, que nem a Aghata, só que ela era chata. A cara da mãe dela, só que um pouquinho mais velha.
- Gringos, né?
- È. Eram os avó dela lá do Canadá. Ela foi com eles. E só entrou em contato comigo ontem: um e-mail qué vê?
- Já quero!
- Engraçado...
- O que Marina?
- A Aghata deu sinal de vida ontem, tu hoje... Parece até o destino querendo reunir a gente de novo.
- Não acredito em tal coisa.
Marina franziu a testa.
- Eu imprimi o e-mail dela, olha ai ó! - Disse Marina jogando o papel com descaso. Júlio leu com cuidado.

Marina,
Desculpe, me perdoa por não ter escrito, Como você tá? Eu estou bem agora, eu acho. Não te escrevi porque eu tava internada num sanatório, só pra variar, amiga, fiquei maluquinha, não entendia nada nem conhecia ninguém. Não sei te dizer bem como te explicar porque eu nem sei, sei lá era cheio de louco, eu não entendia nada, passava os dias deitada olhando pra parede, passei uma barra. Vinha umas tipo imagens assim na minha cabeça, eu começava a chorar, e quando o George vinha me visitar, eu não tinha raiva, nem alegria era só tristeza o tempo todo, sei lá, uma angústia que não passava e um medo que nem sei te dizer, até de dormir eu tinha medo, só vivia vomitando, com enxaqueca. eu tava certa que eu tava doida, mulher. Fui morar na antiga casa da minha mãe, lá é bonitinho, tu ia gostar! Era na beira de um lago lindo. Mora eu e o George, irmão da minha mãe, eles tinham alguma mágoa entre eles, porque ele não fala dela e ela nunca falou sobre ele, sei não, minha mãe odiava a mãe dela, minha avó, eu também a odeio, ela gosta de comprar e depois humilhar as pessoas, acho que nunca vou me acostumar com isso. Ela é muito ocupada, foi para os Estados Unidos semana passada. Ah, tem o Max que eu conheci lá na clínica, ele é lindo, não que nem o Anthon, claro, mas dá pro gasto, rsrssr .Fiquei um ano inteiro lá, e nem acredito que consegui sair.Acho que o que vier agora é lucro.
Saí de lá e faço terapias com o George, ele é psicólogo, mas o George é muito chato, mas tá me ajudando, não posso mentir. Não dessa vez. Voltei a estudar, as coisas são diferentes aqui. Tenho dois amigos: o Max, que eu já te falei e a April, os nomes são engraçados aqui. Sou a segunda na minha classe de corrida (a April é que é a primeira)  tenho que ir, tenho treino em 30 minutos e ainda nem me arrumei. Tu sabe que eu sou lerda pra me arrumar! Fica tranquila, eu tô bem agora. Falar inglês é muito legal e eu entendo quase tudo, mas falo muito errado.
Me escreve logo e não fica com raiva de mim.
Escuta, eu tô voltando pro Brasil, visitinha, depois te explico mais.
Aghata Martin
P.S.: Meu tel.: 777-555-777

- E eu que achava que tinha o pior problema do mundo! Ela foi no inferno e voltou!
- Pra vê só, Júlio, apesar de tudo acho que ela tá bem.
- Ela parece estar mesmo. Ela sempre foi muito forte.Vamo comer alguma coisa fora?
- Júlio éééééé... 8:05 da manhã.
- Sei de um lugar legal pra gente tomar café da manhã.
- Olha como eu tô.
- Eu te espero. BORA!
- Tá bom, mas cê é chatinho ein? - disse Marina abrindo um sorrisinho, subiu as escadas e minutos depois saíram os dois amigos. Ela estava meio despenteada.

___________

Apesar dos pesares, Aghata era uma bela jovem de 18 anos, agora, dois anos depois da tragédia com sua família. Era bastante popular e desejada. Voltou a estudar assim que saiu da clínica. Agora podia ter paz, seu temperamento forte, animado e acolhedor a tornava popular, no entanto mantinha pouquíssimos amigos. “O convívio vai te ajudar muito”, alertou George, “tente conhecer o máximo de pessoas possível”. O que ela encarou como: Max e April.
Aghata estava tranquila naquela fria quarta-feira, fazia pequenas corridas pelas redondezas quando, De repente, ao virar uma esquina:
- Oh! AU!
- Desculpa, desculpa, deixa eu te levantar.
- Presta atenção!
- Presta atenção você! Droga, meus óculos, Ah MEUS livros.
- Tá, vou te ajudar. A culpa foi minha.
O rapaz franzino era da altura de Aghata, contudo desengonçado, um nerd completo.
- Gosta de correr, sinto muito estar no seu caminho. Quanto tempo já?
- Tô voltando à ativa.
- Bom pra você.
- Pronto?
- Sim, estão todos aqui, um pouco molhados, mas todos. Como se chama?
- Aghata Martin. _Disse abrindo um sorriso.
- Nome engraçado... James Lemir, eu...
- Um segundo. - Aghata puxou o cell. - Marina? Não acredito!
- Você fala português! - Disse James Lemir em Português. - Mas Aghata já nem prestou atenção.
- Te cuida James! _Disse Aghata apressada, começando a afastar-se, deixando James Lemir a olhá-la parado na esquina.
- Marina?
- Aghata? Ah, não acredito!
- Saudades de ti Mulher...
- Recebi seu e-mail, que chato o que aconteceu com você.
- Ah, nem me fale. Mas acho que as coisas vão melhorar. Aliás tá melhorando!
Marina e Aghata conversaram por um longo tempo, antes de Marina anunciar Júlio.
- Aghata?
- JULIO!?
- Sim definitivamente as coisas estão mudando pra mim.

Voltar Para a Lista dos Capítulos Ir para AGHATA 1- Jóias Perdidas |

  




12 setembro 2011

Jumanji

Estreio hoje um marcador chamado Inesquecível! com um filme inspirado no livro escrito e ilustrado por Chris Van Allsburg (Jumanji) O filme é de 1995 e marcou para sempre minha infância. Conta sobre um jogo de tabuleiro perturbador capaz de trazer as mais inimagináveis desventuras para tornar a vida digamos: um pouco menos tediosa, sem dúvida Inesquecível! (ponha o som ao máximo!

Também não poderia faltar um vídeo do Jumanji em desenho. Muita cor e contraste. Que saudade das piruetas no sofá, eu estava na selva do Jumanji! :)


06 setembro 2011

As Aventuras de Aghata- Fragmento da capa

Por Incrível que pareça não fiquei parado não,  este é um fragmento da Capa de Aghata 3 A Nova Face do Medo. Também, este é o meu primeiro trabalho em Photoshop para Aghata. Não deixem de comentar!

01 setembro 2011

Revista Ilustrar



Para aqueles que amam a ilustração brasileira, como eu, Ricardo Antunes vem reunindo desde 2007 grandes mestres da ilustração atual em uma revista Espetacular, A REVISTA ILUSTRAR , ou um deleite para seus olhos e o que é ainda melhor, gratuita! Uma variedade de estilos, dicas, step by step e muito mais. Clicando no link, na sessão download você pode ter a sua!  

Blogs que Valem a Pena

Li no meu feed a atualização do blog DRE Arts hoje pela manha, me surpreendi com o que vi lá, uma história hilária, Caverna do Dragão, que animou meu dia, também há alguns trabalhos artísticos interessantes, se eu fosse você, clicaria agora mesmo nos links e "dissecava" tudinho. Pra quê adiar essa alegria!